segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Love & Mercy


 Quem entrar aqui nesses últimos tempos deve pensar que meu blog se transformou unicamente sobre filmes musicais, haha. É que esse é um dos meus assuntos preferidos e, ultimamente, o estilo de cinema que mais tenho assistido...

Tanto que recentemente assisti ao filme sobre o Brian Wilson, dos Beach Boys, e adorei.

Tenho de reconhecer que, a princípio, a motivação que me fez saber a existência de "Love & Mercy" foi egocêntrica. É claro que eu já conhecia os Beach Boys e curtia muito o som deles, mas algo que sempre achei muito legal foi o fato de eu fazer aniversário no mesmo dia de Brian Wilson. Aí outro dia, pesquisando sobre pessoas famosas com o tipo de personalidade INFJ (que, de acordo com um teste que fiz, é o meu tipo), além de saber que possivelmente George Harrison tinha, também me deparei com o nome de Brian Wilson, e achei isso muito curioso, ainda mais por ser um tipo "raro" de personalidade. Fiquei então muito interessada em saber mais sobre ele e passei a pesquisar se havia algum livro ou filme sobre sua vida. Foi quando me deparei com "Love & Mercy".


A história mostra dois momentos distintos na vida de Brian: nos anos 60, com os Beach Boys, e no final dos anos 80/início dos 90, debilitado e sofrendo abuso psicológico de seu psiquiatra, Dr. Eugene Landy, época em que conhece Melinda Ledbetter. Brian e Melinda se apaixonam, passam a se encontrar esporadicamente e, nesse ínterim, Melinda vai percebendo a influência negativa que Landy exerce sobre Brian.  Paralelo à isso, vemos o processo produtivo de discos dos Beach Boys, o crescente perfeccionismo de Brian e sua torrente criativa, além da relação cada vez mais conflituosa com o resto da banda. Esses foram os momentos que mais gostei no filme. Vê-lo dirigindo músicos de estúdio, criando sem parar, tentando transformar em música tudo o que ouvia dentro de sua cabeça... encantador e inquietante ao mesmo tempo.

Em alguns momentos me identifiquei com a história de Brian, principalmente no sentido de ter de lidar  com pessoas manipuladoras e abusivas. Fiquei com muita dó de imaginar o quanto uma alma sensível e perturbada como a dele pode ter sofrido, ainda mais sabendo que ele ficou mais de dois anos na cama, incapaz de levar sua vida e obra adiante. De cortar o coração.

O filme tem um final bonito e real, valeu a pena assistí-lo. Mais um pra lista dos meus preferidos.

E essa música linda...

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Música linda...



Eu apenas queria que você soubesse 
Que aquela alegria ainda está comigo 
E que a minha ternura não ficou na estrada 
Não ficou no tempo presa na poeira
 Eu apenas queria que você soubesse 
Que esta menina hoje é uma mulher
 E que esta mulher é uma menina 
Que colheu seu fruto flor do seu carinho
 Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta 
Que hoje eu me gosto muito mais
 Porque me entendo muito mais também 
E que a atitude de recomeçar é todo dia toda hora 
É se respeitar na sua força e fé 
E se olhar bem fundo até o dedão do pé
 Eu apenas queria que você soubesse 
Que essa criança brinca nesta roda 
E não teme o corte das novas feridas
Pois tem a saúde que aprendeu com a vida...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...