sexta-feira, 25 de abril de 2008

Reticente

Queria eu sofrer de verborragia e poder escrever páginas e mais páginas de textos tão grandes que dessem até preguiça de ser lidos.Queria eu poder sofrer de compulsão febril por escrever,a ponto de se tornar algo preocupante e do qual eu dependesse totalmente.Mas as idéias fluem com tanta rapidez que eu-mesma não consigo acompanhar meu ritmo,e no fim só 10% do que planejei acaba sendo aproveitado.Isso causa uma certa sensação de limitação,principalmente porque se relaciona diretamente com palavras,meu amor platônico.Palavras,que podem machucar,enternecer,expandir,aconchegar...e, no meu caso,ampliar minha percepção de liberdade.Pra mim,pessoa considerada "quieta",as palavras são a salvação,mas ao mesmo tempo,traiçoeiras.Contatos diretos só são válidos com quem vale a pena,então as palavras devem ser muito bem escolhidas.E é aí onde mora o perigo.

Queria eu não poder passar um só dia sem escrever pelo menos uma linha,e e esperar que o resto da vida fosse assim.

Queria eu poder entender por que eu tive necessidade de escrever isso que

Mudanças

Mudanças assustam.Mudanças são como um abismo:nunca sabemos se vamos sair inteiros deles,e por isso preferimos não nos arriscarmos.Mudanças são inevitáveis.Algumas imperceptíveis,outras dolorosas;e outras ainda,sublimes.Vale a pena mudar?

A partir do momento que a mudança é aceita de forma natural,ela já não é mais uma mudança,pois a real mudança é aquela que vai pulsando paulatinamente,até ser percebida ,quando na verdade já não é mais uma transição,e sim um estado definitivo.Mudar não é abandonar a essência,e sim aproximar-se ainda mais dela.Estamos numa eterna busca por nós mesmos,e talvez no fim de tanta busca,nossa recompensa seja a liberdade

Secos e molhados



Lírico,surreal,inteligente,muito bem trabalhado.Causador das mais diversas sensações.O disco de estréia dessa banda meio Alice Cooper,meio Kiss com características bem tupiniquins e requintes fantásticos traz todo um frescor e rebeldia poética com letras curtas (como em "As andorinhas",e "El Rey",ambas de 58 segundos),sons ultra animadores ("Amor"),poemas musicados ("Rosa de Hiroshima") e muitos outros delírios incríveis,muito bem fechados com a apoteótica "Fala",linda a ponto de causar arrepios.

Esse disco é mais um dos que tem marcado minha vida de uma forma tão bacana que é difícil descrever.Música realmente é algo que consegue ser tão enigmático quanto o amor.Que loucura,né?

Recorte de revista

Folheando uma revista,mais precisamente a "Revista da Folha-Morar" de 27 de outubro de 2006,encontrei um texto sobre decoração aparentemente desinteressante,mas que continha um trecho que me chamou a atenção,pois se aplica super bem não só com relação à decoração,mas a muitas outras áreas da sociedade,como moda,comportamento,etc.

O trecho:

"Tenho medo do que é tendência.Ela banaliza,emburrece,mediocriza,enfraquece nossa capacidade de escolha.Ainda que o exercício de escolher possa parecer mais simples a uns que a outros,nenhum mal fará enfrentar um pouco desse embate: qualquer descoberta será sempre mais importante que a receita pronta.

Tendência é sempre algo que já passou,mas não é só isso que a desqualifica;ela perde força por representar uma massa anacrônica de realidades fragmentadas.É ocaldo de tudo,pois trata do que agrada a todos."

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Sensações tão fora do habitual que nos deixam perplexos diante de tanta beleza;o amor é real se torna quase palpável.É de uma plenitude iluminada.Diante disso,palavras são insuficientes.Qualquer descrição seria limitada demais.

Amar,estar junto de alguém...Será que é tudo tão simples quanto parece?Não acredito que uma relação possa apenas se basear em mero contato físico e amizade banal,seria vazio demais.Tudo só vale realmente a pena quando o sentimento amplia nossa visão de mundo e nos completa.







domingo, 6 de abril de 2008

Sgt.Pepper's Lonely Hearts Club Band


Tudo bem,pode parecer um grande clichê,mas é impossível falar de Beatles sem citar Sgt.Pepper's.Muita gente diz que o Revolver ou o Rubber Soul são mais notáveis,mas sinceramente discordo.Considerado um divisor de águas na história da música pop,revolucionário,alucinógeno,genial,incrível...nem todos os melhores adjetivos podem expressar o quanto esse disco tem a oferecer.

Com arranjos elaborados,letras poéticas/profundas,e texturas inacreditáveis,os Beatles passeiam por imagens mentais extravagantemente coloridas inicando com a canção título,evoluindo para a alegre "With a little help from my friends",chegando à simplicidades imaginativa e quase infantil de "Lucy in the sky with diamonds",e nos levando a outros mundos..lindos,cativantes,por vezes chocantes,mas sempre inesquecíveis.E no fim,após muitas outras obras de arte,tudo se expande e se completa com a maravilhosa canção "A day in the life".

Pra mim,disco bom é aquele em que todas as músicas marcam,uma completando a outra.É também aquele que marca épocas das nossas vidas,e fica como registro.Afinal,música é algo totalmente pessoal,tanto para quem faz quanto para quem ouve.E Sgt. Pepper's,pra mim,é um disco assim.

Cada vez que o ouço,me deparo com novas sensações,ao mesmo tempo em que recordo dos melhores tempos da minha vida que foram vividos com esse álbum como trilha sonora.

É...como já dizia o locutor:"é sempre muito bom ouvir Beatles!"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...