sábado, 13 de dezembro de 2008

Uma análise boba

Assistir TV não é uma das minhas atividades favoritas,mas uma coisa que gosto nos finais de ano são os especiais, principalmente os da Globo. Depois do sucesso de "Hoje é dia de Maria", estão cada vez mais caprichando nessas micro-séries, o que só é benefício para os telespectadores.
Só a inovação no formato "compacto" de no máximo 5 capítulos já é algo ótimo, porque simplesmente não tenho paciência para ficar meses acompanhando uma história, pois mesmo ela sendo ótima,uma hora cansa.
E essa semana pudemos acompanhar a série "Capitu". A princípio apenas me interessei porque, pelo que tinha visto nos comerciais, as imagens seriam bonitas; pensei que só isso valeria a pena, pois a atuação parecia ser exagerada demais, coisa que nunca me admirou. Mas me surpreendi.
"Capitu", além de narrar uma bonita história, tem algo que me fascina: fotografia e enquadramentos simplesmente perfeitos. Em algumas cenas a iluminação dá tanta ênfase às cores do cenário,que o resultado é maravilhoso. Além disso, os personagens são bem interpretados; claro,com um pouco de exagero como eu havia pensado, só que menos do que eu esperava (graças a Deus,hehe). As colagens visuais,e a mistura de elementos de diferentes épocas (como por exemplo numa cena em que os personagens,com roupas do século XIX, andam por ruas do Rio de Janeiro de hoje) dá uma atmosfera ao mesmo tempo surreal e bem-humorada.
E a grande surpresa (como se já não tivesses tido várias!): a trilha sonora. Logo no primeiro capítulo levei o maior susto com o som de Sex Pistols (!),e me surpreendi cada vez mais na seqüência dos capítulos, com Black Sabbath, Pink Floyd e Janis Joplin! Esses sons se encaixaram super bem com as imagens e situações,e foi uma sacada de mestre de quem teve a idéia de inserí-los no contexto.
O que posso dizer mais? Bom,que a Globo peca muito em suas novelas e outros programas,até mesmo no Jornal Nacional,ao apelar demais para o sentimentalismo barato. Mas no que se refere às micro-séries de fim de ano,essa emissora só merece elogios, e os desejos intensos de que continue nesse pique.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Flash de inspiração

O Mundo é tão lindo. Suas formas,suas cores,seus sabores. Cada instante
vivido,cada sonho esquecido,cada luz que se acende,cada chance que surge. O
Mundo se confunde com a vida; e com o tempo: pois girando o Mundo cria o
tempo,ou com o tempo criou-se o Mundo?
Tão cheio de estradas,tão cheio de seres. Lugar repleto de
lugares,organismo em constante mutação; o Mundo é uma criança cósmica.
Cercado de pontos luminosos,acompanhado da Lua,seu amor platônico,o Mundo se desfaz em toda a
sua vida e se recria a cada nova rotação,a cada novo dia. O Mundo é infinito,o
Mundo é pleno. Traz em si todo o seu passado,e vive anunciando seu futuro. A
profundeza de suas águas guarda os segredos do Universo.

sábado, 29 de novembro de 2008

Thinking

Liberdade é talvez um conceito muito mais prático que teórico.Mas ainda sim é algo real.Esse discurso cético de que liberdade é algo que não existe absolutamente,é um tanto quanto extremista. Afinal,se fosse algo apenas imaginário,como explicar o impulso criativo que sentimos diante de alguns momentos ao longo da vida?Pra mim,só pode ser algo que liberta. Liberdade é algo talvez tão pessoal que por isso mesmo seja tão difícil criar uma única definição a respeito. É o tipo de abstração que só pode ser vislumbrada com uma boa dose de... liberdade. Mas de uma coisa se pode ter certeza: ela está muito longe de ser apenas a "capacidade de sair por aí sem dar satisfação a ninguém",esse é só um lado minúsculo do todo. Tranquilidade é liberdade,criação também.Poder ter certeza do que ser quer é uma forma de se sentir livre,assim como ter certeza da falta de certeza também é se libertar. Porque liberdade é a arte da escolha: a de ser como se é e de também não querer ser,a de poder fazer ou não,etc,etc. Até nos momentos em que nos limitamos estamos sendo livres para poder nos limitar,afinal essa é uma opção nossa. No fundo,talvez liberdade nem seja algo tão expansivo,mas que está intrínseco em cada momento do dia a dia,de acordo com o pensamento de cada um e do espaço em que se encontra. Há momentos em que parece mais fácil senti-la. Mas ela está sempre conosco. Poucos se dão conta de como são livres,pois se apegam a convenções e ciladas do ego,mas liberdade pra mim é assim: simplicidade,opções,respeito e muita,muita tranquilidade. Meus pais são livres,meus amigos nem tanto,John Lennon era livre e muitos gênios também;me sinto hoje mais livre que há anos atrás,pois descobri que no fundo só nos resta sermos tranquilos,e não nos abalarmos com besteiras,pois isso é perda de tempo.

sábado, 22 de novembro de 2008

Valores

Vendo um álbum de fotos da minha prima,me bateu uma tristeza muito grande. Eram fotos dela grávida junto com seu marido; ele morreu menos de um ano depois que seu filho nasceu. Foi num acidente de trabalho,e de forma súbita. Um baque e tanto para toda a família. Vendo isso,percebo o quanto a vida é frágil. Um dia estamos super bem com nossos amigos e familiares,e de repente coisas desse tipo podem acontecer. Aí vem aquela velha história de "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã" que até já foi transformada em clichê,mas que com certeza faz muito sentido.
As pessoas se apegam tanto a detalhes tão mínimos da vida,se desgastam por picuínhas sem sentido e perdem o tempo que poderiam estar ao lado de pessoas queridas por rusgas idiotas. E acabam que só dão valor ao que tinham depois que perdem.
Por que tem de ser assim? Por que não procurar curtir ao máximo a presença dos amigos,os momentos de alegria,e deixar as brigas infundadas de lado? Claro que momentos difíceis vêm para todo mundo,mas é nessas horas que o amor têm é que se reforçar,servir de base para que os momentos ruins possam passar o mais rápido possível,e que só fiquem as lições boas disso.
E,da minha parte,vou procurar investir mais no que vale a pena,e deixar as intrigas inúteis no passado. Não vou só valorizar as coisas depois de perdê-las.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Strange days

Atualmente é bem difícil definir o que arte. Com tanta coisa sendo feita por aí,e tanto acesso à tudo,as coisas estão ficando cada vez mais confusas. É uma bagunça enorme. Mas,o que é mesmo arte? Essas fotos estranhas que são divulgadas por aí, essas camisetas com mensagens sem sentido,essa postura pseudo liberal? Não sei se eu que sou meio inflexível,ou se a coisa está virando zona.

Porque até certo tempo atrás não havia espaço para todo mundo se expressar,mas ainda sim surgiam coisas incríveis. Atualmente o que vejo é uma coisa plastificada,que de vez em quando finge ser "sujinha",mas que é asséptica demais pro meu gosto. Parece que está tudo sendo pré fabricado.

Da mesma forma também não entendo pessoas famosas como a Marimoon. Nada contra ela pessoalmente,mas o que ela faz de mais? Sabe usar bem um photoshop, e tem cabelo rosa. Só. Milhares de pessoas também fazem isso, e não se tornaram ídolos teen. Antes de ser veejay da MTV,eu nunca nem tinha ouvido falar dela. Acho que pessoas assim têm pouco a nos acrescentar,e o que entristece é ver que tanta gente se espelha nesse estereótipo superficial.

É,agora entendi. Superficial é a palavra que define o que se vê hoje. Porque Amy Winehouse até canta bem,mas só é conhecida por suas roupas e postura (ou falta dela).

Música de verdade,arte de verdade está ficando cada vez mais difícil de ser vista por aí. Eu estou me cansando de plásticos e exageros infundados.


O filme da minha vida

Esse filme foi lançado no circuito comercial há dois anos atrás,mas ficou menos de duas semanas em cartaz e logo saiu. Pelo jeito não emplacou. Talvez tenha sido por pouca divulgação,ou pelo fato de ser um filme nacional,o que é ainda motivo de grande preconceito para muita gente.
O negócio é que ele é muito bom,e deveria ter sido mais valorizado.
1972-O filme retrata a vida de jovens dos anos 70,época em que,todo mundo sabe,imperava o autoritarismo do regime militar,e os jovens viam na música um de seus mais poderosos meios de expressão. Embalado por músicas que marcaram a história do Rock nacional,o filme se desenrola entre o subúrbio do Rio de Janeiro e sua área nobre,mostrando a relação de duas pessoas que se conhecem por influência dos Rolling Stones.
A reconstituição da época é perfeita,tanto nos figurinos quanto nas locações,e quem viveu essa época com certeza há de concordar que histórias como essas eram bem comuns. Lindas de ser ver.
Esse filme vale muito a pena ser visto. Está disponível em DVD e é mais fácil de achá-lo pela internet.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Me dupliquei.

A Isa e a Bela são duas figuras fora do comum,uma tímida e meiga,outra quase punk revoltada.Mas são grandes amigas há 18 anos,e há um certo tempo não se viam. Aí,numa simples esquina,onde lá se ia mais um dia,elas se esbarraram sem querer.Ficaram muito tempo juntas,relembrando,refletindo,conversando.
Conversaram e perceberam que estavam cansadas. Cansadas de se deixarem iludir por sonhos confusos e esperanças infundadas. Cansadas de pensarem sempre no mesmo cara que há séculos lhes disse que não queria nada sério com nenhuma delas. Cansadas dos falsos amores,das falsas promessas.
Elas queriam mudar,mas mudar de verdade,e definitivamente tomar um rumo. Mas como elas são duas,seus rumos podem ser diferentes. Elas sabem que podem acabar voltando a se separar,e aceitam isso numa boa. Nunca vão deixar de ser parte da mesma coisa. Elas só querem paz. E quem sabe um pouco de amor.
Mas o amor já não é mais tão importante.
A partir do momento que alguém se acha no direito se impor sobre outra pessoa e tolher sua liberdade,é hora de acontecer uma "rebelião". Não se pode de forma alguma aceitar imposições de terceiros que muitas vezes nem sabem direito o que se passa,e só querem mandar para se auto-afirmarem.

Isso é uma total falta de respeito,de limites e de senso.

Se alguém aceita ser submisso em nome de um "amor" que muitas vezes nem existe,é porque já perdeu a noção de ridículo.


Eu não vou aceitar gente que pensa que tem controle sobre mim.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Descoberta

Através da minha mãe,consegui um trabalho voluntário que comecei recentemente: ajudo uma senhora a revisar o livro infanto-juvenil que ela está escrevendo. Explicando assim,parece ser um saco,e na verdade,quando minha mãe me falou da possibilidade de fazer isso,achei mesmo que fosse ser muito chato. Principalmente porque paciência nunca foi uma das minhas qualidades,e temi que essa minha "nova função" fosse justamente necessitar disso. Mas me enganei redondamente.
Primeiro porque essa senhora, Dona Yvete, a qual eu ajudo é uma figura simplesmente incrível: no alto de seus 84 anos tem uma lucidez de fazer inveja à muita gente de 18,além do que é artista plástica (autodidata) e sua casa é forrada de quadros que pintou ao longo dos anos (de vários estilos,um mais lindo que o outro). Sua única renda são as camisetas que estampa com desenhos em patchwork e miçangas,e como eu já disse,ela está escrevendo um livro. Tudo o que eu mais adoro: arte, literatura, artesanato e música (ela também já foi cantora e tem gravadores e rádio antigos em casa que são verdadeiras relíquias)!!!
Seu livro conta a história de uma família do interior,e é narrado por sua própria cachorrinha de estimação,Babette. É dividido em 10 capítulos,onde a história de cada membro da família se interliga,formando uma bela história-mosaico. Todos os personagens são bonecos reais que dona Yvete criou e fotografou,para serem usados como ilustrações.
Minha função é corrigir erros de ortografia e concordância que ocasionalmente ela comete,e até que são poucos,considerando-se que ela é belga e fala português ainda com um pouco de dificuldade (seu forte é o francês). O que mais me fascina nessa figurinha é a habilidade com que mexe no computador: nem eu,que sou uma (quase) nerd, tenho tanta rapidez para mexer em diversos programas da forma como ela faz,é incrível de se ver! Estou aprendendo um pouco mais de computador com ela,e ela aprende português comigo.
Fico extremamente feliz de ter conhecido uma pessoa tão fora do comum como Dona Yvete. Alguém que com certeza já viveu muita coisa legal e que tem muito a ensinar,mas que não pára de aprender. Não espero chegar à velhice,mas caso isso seja inevitável,espero poder ser pelo menos um pouco como Dona Yvete. Uma senhorinha incrível.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Vida de operadora

Trabalho há sete meses como operadora de caixa numa rede mercados até que bem conhecida. Antes de trabalhar lá,minha visão de uma operadora era a mesma visão equivocada que as pessoas geralmente têm: uma menina que de má vontade apenas passa os produtos,cobra o valor da compra e só. Simples assim. Mas descobri que a coisa não é bem desse jeito.
Além de atualmente ter de perguntar a cada cliente se ele quer o número do CPF na nota (por causa da maldita Nota Fiscal Paulista) e aguentar perguntas ridículas a respeito,uma operadora tem ainda que lembrar de códigos de frutas que passam como unidade (são no mínimo uns 20 códigos com 15 números cada),e lidar com as mais variadas formas de pagamento: dinheiro,cartões de crédito (lembrar de quais parcelam ou não) ,débito,tickets (e seus específicos códigos),cuponagem,financiamento,cheque à vista,etc,etc...
E claro, não se pode esquecer os clientes.
Ah,os clientes...esses seres estranhos com os quais temos de nos relacionar...quando se lida com clientes, é possível tirar muitas conclusões a respeito do comportamento humano.
O que pude perceber na maioria deles,é que são pessoas incompreensíveis, impacientes,egoístas,pedantes...e pior,pensam que são superiores às operadoras a ponto de terem o direito de humilhá-las a torto e direito e ainda sim continuarem com razão. O mais triste é quando a gente se dá conta de que esse comportamento agressivo e infantil não se limita ao supermercado: está em todos os lugares. Me pergunto quando será que essas pessoas vão cair na real e perceber que estão fazendo um papel ridículo e dando péssimos exemplos às próximas gerações . A impressão que dá é que isso nunca irá acontecer.
Mas,justiça seja feita: há também clientes decentíssimos (se bem que raros),que fazem nosso dia valer a pena e nos deixam esquecer pelo menos por um instante que temos de trabalhar nos finais de semana,feriados e em todos os outros dias em que a maioria das pessoas normais está de folga e livre para curtir a família e os amigos!!!
Enfim,apesar de tudo,posso dar graças a Deus por pelo menos estar empregada. Quem sabe em breve eu arranje algo que me deixe mais feliz? Sei lá,é sempre bom ter esperança.

(Obs: na próxima vez que você for ao mercado,por favor,lembre-se de tratar bem a operadora,ela merece!!)

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Escrever em primeira pessoa é algo que vicia. Sem querer se começa a escrever assim,e quando se percebe,aquela palavrinha de duas letras que para muitos é o centro do mundo aparece para dar o ar da graça e desconstruir todo o texto.


quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Parabéns John!!

09/10/2008


Em meio à guerra,nascia há 68 anos atrás John Winston Lennon,o cara que anos mais tarde lideraria a maior banda de todos os tempos,os caras que eu amo,os inimitáveis Beatles.

Ele,que lutou pela paz e teve um fim ironicamente violento,soube criar como ninguém belas canções que marcaram a vida de muitas pessoas.

Com senso de humor único,John com certeza deve ter sido uma companhia inesquecível para todos aqueles que tiveram a sorte de conviver com ele.

Uma figura como ele faz muita falta nos dias de hoje,onde sobra pose e falta criatividade.

Registro aqui,meus sinceros parabéns.


Ah John,como eu te amo!!!!!!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

They can't get no satisfaction

O que é satisfação,isso que todos procuram e que poucos dizem ter? É ter tudo o que se quer,não prestar contas a ninguém,estar perto de quem se ama? Então satisfação é um conjunto de amor,liberdade,saciedades e tantas outras coisas,que no fim,caracterizam a felicidade. Mas...existe alguém que diga com plena covicção que é feliz,ou melhor,que está 100% satisfeito com tudo?A felicidade parece caminhar justamente no sentido oposto: a busca pela plenitude somada à expectativa positiva (mais conhecida como esperança) traz a satisfação de se estar em constante movimento. Pelo menos para mim tem sido assim. Quanto mais busco e menos acho,mais encontro;e é desse jeito mesmo,paradoxal,que encontro momentos de satisfação.Não satisfação superficial mas aquela que vem de lembranças queridas de sonhos passados que agora se concretizam,da certeza de que faço o que gosto,da maravilhosa liberdade de não me importar mais com o que podem pensar de mim (depois de tantos anos me importando,aprendi a lição).Muitos dizem não estarem satisfeitos,mas poucos reconhecem o que já têm. Não é à toa que está tudo uma bagunça: até mudarmos nossos vícios com relação à vida,muito tempo vai passar,muitas gerações virão.Eu pelo menos estou satisfeita,mas não farta,graças a Deus.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Pensamento vago

É assim,quanto mais demonstramos medo,pior para nós mesmos. O melhor então, é passarmos sempre a sensação de que somos pessoas super seguras (mesmo nem sendo...mas de preferência ,se possível,sejamos).

Porque quando olhamos de frente para tudo o que nos assusta ou entristece, vemos que nunca houve motivos para a dor e o sofrimento na verdade era ilusão.

Esquentar q cabeça?

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Coisa comum

Todas as pessoas em todas as épocas tem procurado o amor. Mas poucas sabem realmente o que isso significa. Passam anos e anos na mais incompleta e confusa busca por algo que,ao que tudo indica,é inexistente,ou se realmente existe,é o tipo de coisa tão difícil quanto passar numa Fuvest.

Muito se tem falado das formas de se amar,de como se deve conviver com quem se ama,etc e tal,mas quando se pergunta a alguém se um dia amou de verdade,as respostas são sempre vagas,dizem pouco. Isso porque ninguém sabe amar. Só se criam teorias erradas sobre isso e nada é real.

Quando será que vamos de uma vez por todas nos decidir a deixar de lado toda essa besteira? Será que já nao sofremos demais? Ou será que no fundo gostamos de sentir dor? O mundo é tão cheio de possibilidades,mas o ser humano se alienou a sempre relacionar vida a amor; é compreensível,faz parte do instinto,"preservação da espécie". Nada mais além disso.

E enquanto isso o tempo passa,pessoas se desgastam à toa

Livro " O amanuense Belmiro" de Cyro dos Anjos

Esse livro está há no mínimo 15 anos na prateleira de casa,mas só recentemente bati o olho em sua lombada e como que por milagre me interessei.
Retrata a vida de um funcionário público que,cansado de sua rotina morna,sobrepõe à realidade o seu mundo interior, repleto de novas impressões,amores e mesclas de passado e presente,além de registrar tudo isso num diário (que acaba o livrando de grandes problemas).
Com narrativa poética e história carregada de lirismo,esse é um ótimo livro. Adorei.


quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Coisas

Fazemos parte de uma geração que futuramente será reconhecida não pela sua literatura de mimeógrafo,mas pelos blogs.Não pelas rodas de amigos diversos,mas pelo orkut. Não pelo disco,mas peo Mp3 e sua versatilidade habilmente utilizada por nossas mãos,entre tantas outras coisas.

É engraçado perceber essas mudanças sutis, mas tão marcantes. Eu realmente gostaria de ter feito parte de outra geração,sinto muito mais prazer em criar um texto na minha velha máquina de escrever (sob a ameaça de me sujar toda com a tinta da fita) do que no meu notebook; me sinto muito melhor usando boca-de-sino do que legging, gravando músicas na vita k7 ao invés de uscar múcas no mp3 rocket...enfim,é uma enorme contradição.

Mas é legal estar nesse impasse. Sempre existe um meio-termo que acaba se tornando algo legal e inesperado.

E assim o mundo gira.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Post pessoal

Alguns só acham certo usar blog como um tipo de texto "jornalístico", outros unicamente como "diário". Para mim,qualquer tipo de linha que se siga já é algo pessoal; como tudo na vida,as escolhas são algo muito particular.

Então não entendo mesmo por que tem gente que se importe com o que escrevo,no sentido de ser pessoal ou não. Ninguém é obrigado a nada,então se não quiser,não leia isso. Só por favor, não tire uma com a minha cara. Tenho o direito de ter meu espaço em paz pra dizer o que quero,pessoal ou não.

Se eu quiser reclamar do namorado,ter um ataque emo,declarar todo o meu amor aos meus ídolos,esculhambar pessoinhas que mereçam isso e etc e tal,aqui farei, como já tenho feito há mais de um ano.


E tenho dito.


(isso foi para uma pessoa em especial)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

A day in my life

Sonhei com o Rick Danko,e com um baixo azul e rosa que insistiam que eu tocasse.

Acordei louca pra ouvir Beatles e pintar.

Terminei a manhã me perguntando por que as coisas podem mudar tanto.

Não cheguei a conclusão nenhuma,mas percebi que adoro ficar em casa.

Descobri um livro que minha mãe tem há anos,e que só agora "apareceu" pra mim.

Escutei Zé Ramalho,estava com saudade.

Pensei em pessoas que passaram por mim nos últimos anos,e no quanto me enganei com algumas.

Quis chorar por uma em especial. Desisti,não faria muita diferença.

Passei a tarde tomando café,como tinha de ser.

Esperei a noite para ele ligar.

Senti vontade de escrever na minha máquina,de desenhar,de escrever uma carta.

Só consegui reabiscar alguma coisa.

Fui dormir depois de ouvir o Sgt.Pepper's

Um ótimo presente

"Ganhei" uma tarde inteira sozinha em casa com TV,Rádios,computador,comida,72 livros,34 DVD's,170 CD's, 7 fitas cassete, 12 fitas de vídeo, e 84 revistas inteiramente à minha disposição!!


E depois dizem que felicidade não existe

domingo, 14 de setembro de 2008

Pensando

É engraçado sentir saudade de coisas que nunca vivemos,de lugares que nunca visitamos...

Uma sensação que aperta a garganta,arrepia,traz melancolia. Porque será que isso acontece? Alguns dizem que há relação com outras vidas,que sentimos falta de coisas que aconteceram muitos,muitos anos antes de nascermos nessa vida. Outros acham apenas que é só uma impressão comum que não significa nada de especial.

Difícil definir a causa ou a finalidade desse sentimento. O fato é que ele está presente constantemente

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Viagem



Cabelo ao vento,boca-de-sino,poesia em meio ao caos. E muita música. Enquanto cores surreais inundam todo o ambiente,a guitarra não deixa que se pense em outra coisa a não ser no bem estar. Estar bem. Flashes de filmes em super 8,plasticidade nos sorrisos,tintas e recortes. Arte. Arte?? Discos espalhados pelo chão,pôsters,livros. E a vontade de criar constantemente pulsando. Pessoas passam em direção à luz,e os relfexos trazem saudade das estrelas. Um dia o céu estará de volta. Ou nós retornaremos a ele; o fato é que haverá um reencontro.
E enquanto planos desencontrados tentam se alinhar,a janela se abre mostrando que os horizontes se abriram e depois da chuva colorida virão muitos seres incríveis.

Deixa o filme passar,depois arrumamos tudo.
("Dancing days are here again as the summer evenings grow...")

(...)

É incrível olhar como nossa cabeça funciona: combinamos os nossos cinco sentidos e criamos percepções tão diversas e complexas que chega até a ser difícil explicá-las. E elas podem tanto nos ajudar a entender o que se passa ao nosso redor,como também nos enganar de forma imbatível. As mensagens subliminares são um belo exemplo de como nosso subconsciente se confunde e como é fácil manipulá-lo.

Eu bem que gostaria de descobrir como passar mensagens subliminares sem que se perceba isso e manipular algumas pessoas...será que seria legal??


Brincadeira,

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Doing

Criar. Nem que seja uma linha com poucas palavras,nem que seja um traço pouco significativo. Saber que o esforço surtiu algum efeito. Pouco importa se haverá ou não repercussão,o importante é criar. Sentir o movimento do subconsciente tramando algo novo.
Toda criação traz uma mudança. E assim o mundo gira.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Declaração

Viver,viver. Viver é algo maravilhoso. Sentir energia pulsando junto com o sangue pelas veias,e os sentimentos aflorando à medida que o tempo passa,conhecer mais e mais pessoas e ter a certeza de que todas vão nos acrescentar algo assim como também faremos isso por elas...

Olhar ao infinito e vislumbrar horizontes felizes onde a dor já se foi e só restou sonhar,passar tardes assistindo ao pôr-do-sol e sentindo falta de lugares desconhecidos...

Nadar em mares,piscinas,riachos; flutuar no espaço dentro de nosso próprio inconsciente. E ver que o futuro só traz coisas boas. Viver,sabendo que nem tudo é maravilhoso,mas que ainda é possível haver paz de espírito.

A vida é apaixonante justamente quando esquecemos de tudo e nos deixamos fluir. Viver é saber (ou pelo menos imaginar) o que é plenitude. Viver é sentir amor. Amor,esse tema tão "aclichezado",mas que é o propulsor da vida, o combustível da poesia concreta que é viver. Sentir amor é viver,sentir amor pelo vento,pelo mar,por si mesmo,pelo mundo,pelo espaço. Infinito, silêncio,céu,amor.

Não se ter medo da pieguice,da repetitividade,do ridículo,da crítica. Viver é libertar a alma

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

"Changes"

Mudanças nem sempre são bem vindas,pois normalmente vem acompanhadas de muito receio. Elas indicam que nada mais será como antes. Isso é bom. Mudar significa trazer mais oxigênio a um ambiente saturado; esse ambiente pode ser qualquer lugar: uma casa,uma família,uma alma,uma vida. Deixar velhos conceitos de lado e criar coragem para enfrentar novos processos de desenvolvinmento não é tarefa fácil,talvez por isso mesmo seja tão emocionante. E assustador.se mu

O que seria da vida sem mudanças? O que seria da humanidade? Mudar é evoluir. Se mudamos de formas que nem mesmo esperávamos,não devemos culpar ninguém a não ser nós mesmos. Afinal,só nos podemos nos mudar ou permitir que os outros nos mudem. O importante é nunca perder o foco e esperar o melhor.

Então que continuem vindo incessantemente as mudanças. Elas são nece

domingo, 31 de agosto de 2008

..

É uma pena que somos tão contraditórios,muitas vezes pensamos algumas coisas,dizemos outras e sentimos tudo diferente. Acho que faz parte do aprendizado natural. Estranho seria se tivéssemos plena certeza de tudo e ponto.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Indignação

O conceito de liberdade extrema tem sido amplamente difundido e defendido a algumas décadas,mas o que se vê atualmente é uma total falta de sentido e valores,o leva a pensar se essa "liberdade" é mesmo válida. Afinal,o que adianta deixar que todos "façam o que querem" se a maioria das pessoas nem sabe o que quer?

No fundo,a massa sempre precisa de alguém ou algo que a comande e direcione. Essa coisa amorfa chamada povo só espera que alguma instituiçao com firmeza suficiente a chantageie com tudo o que ela quer em troca de seu direito de escolha.

É estranho dizer isso,mas é o que se vê. Ninguém tem feito nada de realmente significativo,pois todos estão preocupados demais em massagear seu respectivo ego e aparecer cada vez mais.

E as coisas só vão piorando,enquanto a sujeira é escondida em baixo do tapete.

Seria preciso que houvesse

terça-feira, 26 de agosto de 2008

?

A relação entre pais e filhos sempre foi um tema dos mais delicados. Os pais sempre querem proteger,ajudar,mas muitas vezes nem sabem como. Os filhos até entendem a preocupação dos pais,mas sentem a necessidade de expandir horizontes sem a companhia deles. E aí começa todo o "drama". Pode até existir o diálogo entre as partes envolvidas,mas a teimosia dos filhos e a autoridade forçada dos pais só faz com que os conflitos se agravem. E isso se segue até que algo exploda. Aí fica difícil saber o que pode acontecer a seguir.

Enfim...

É engraçado perceber que de uma hora pra outra deixamos de ser importantes na vida de algumas pessoas. As "melhores amigas" não falam mais conosco porque começaram a namorar, os ex ficantes que prometeram continuar amigos passam a nos ignorar por besteiras...enfim,muita gente de repente parece achar a nossa companhia um saco,e isso é no mínimo triste. Significa que nunca houve consideração suficiente por parte dessas pessoas.

No começo fica a mágoa de perceber esse tipo de coisa,mas depois vem a conclusão: elas é que perdem. Mesmo porque,sempre haverá alguém que saiba nos tratar como merecemos.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Sei lá,de vez em quando tenho um certo receio de escrever posts pessoais,mas...quer algo mais pessoal que um blog?? Não é à toa que estranho esse pessoal que divide blog,pra mim é como deixar que outra pessoa use minhas roupas,simplesmente não dá!! (Não sou tão egoísta quanto aparento,hehe)

Mas,enfim,só escrevi isso aqui porque estou feliz e tinha a extrema necessidade de dar vazão a isso. Tudo tem me levado a acreditar que as coisas vão melhorar cada vez mais,e é sinceramente o que espero.


E pra espantar a ansiedade,sigo ouvindo Beatles: "

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

E se...






Pergunta inevitável: e se John Lennon estivesse vivo,o que será que ele teria feito dos anos 80 pra cá? Como ele reagiria a toda a tecnologia atual,à internet,à política? Com certeza ele odiaria o Bush; assim como também teria feito shows no Brasil. Quem sabe até criaria mais alguma coisa com algum dos remanescentes dos Beatles. Talvez nem estivesse mais com a Yoko (tanta gente iria adorar!); teria escrito mais alguns livros,dirigido filmes,lançado álbuns com todo o tipo de experimentalismo possível,dito mais frases marcantes, chacoalhado o cenário musical de um jeito tão próprio que as coisas não estariam tão precárias...



É engraçado imaginar tudo o que poderia ter sido,e nem é tão difícil: seguindo toda a linha de raciocínio desse gênio é possível concluir que ele teria feito muito,muito mesmo.



E quem sabe depois de tudo isso,estaria agora no litoral da Irlanda,como ele mesmo disse, vendo o álbum de colagem de suas loucuras...

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

"Brain Storm"

Passarelas azuis levando a lugares desabitados no silêncio de prata enquanto meus amigos esperam o ônibus passar e eu penso no quanto as coisas mudaram e o jornal vai começar e eu nem escrevi meu texto.Tenho que passar as compras logo antes que o cliente reclame,eu não posso dormir,eu não posso dormir!! Cadê a esteira,e a minha revista? E aquele emo desgraçado que tentou me desanimar foi parado por excesso de velocidade numa esquina perto de casa e eu nem sei que horas são. Nunca mais vou em LanHouse,pra quê?Agora tenho o poder! Tempo contado nunca mais! Dud nunca mais,ficou pra trás junto com os tempos de escola,e ele nem sabe que não quero nada dele.Tadinho. E essa dor no ombro que me faz lembrar coisas recentes,e esse trecho de música que não sai da cabeça,e o sono,o sono,o sono. Odeio Mallu Magalhães, meu rádio quebrou,a música parou. Cala a boca. Por que será que dizem que eu pareço com a Rita Lee? Quem me dera. Amanhã trabalho,depois não. Haja paciência,espero logo entrar na faculdade,terminar e morrer. 40 anos tá ótimo,quem sabe menos. Nem queria poder falar de amor,mas esse clichê fica perseguindo todo mundo que começa a bater alguma coisa na máquina. E é sempre a mesma coisa. Ainda bem que não há tédio,pelo menos por enquanto. Mas a incerteza sempre vem atrás,querendo desnortear. Ai,que saudade dele. Vou pôr Cazuza pra tocar. E o meu toca discos,era pra eu ter ganho aos 15,já estou com 18. Puts,tô ficando velha. Minha filha ainda não ligou e ainda tenho que terminar de pintar minha camiseta do Submarino Amarelo. Não escrevo nada que preste há semanas,e esses blogzinhos de araque me irritam. Quase não vejo homens blogueiros,por que será? Eles talvez não sintam necessidade de tanto trelelê. Porque é sempre assim,criam alguma coisa legal e vem as mulheres vulgarizando tudo; blog era pra ser o tipo de espaço perfeito para serem escritos os melhores textos,mas tudo o que sai são porcarias como essa que ninguém tem disposição de ler até o fim. Tudo bem,eu também não teria. Sou mulher,aff. Adoro ser mulher,mas é duro carregar a fama chatinha que outras mulheres deixaram sobre a minha geração. Pô,eu não tenho tpm,nem cólicas,nem droga nenhuma desse tipo;não uso salto nem rímel,e mesmo assim sou mulher! E delicadíssima por sinal. Adoro ser como sou. Ai,que saudade dele. Nenhuma mensagem no celular,nenhum sinal de vida.

Pois é

De repente,virou moda. E agora é moda gostar de Beatles. Agora é moda ser nerd. Ser mod. Usar maquiagem estilo anos 60. Cantar folk. Usar franja. Imitar Keith Moon. Tocar surf music. Badalar o "Dark Side of the Moon". Dizer que adora "Laranja Mecânica".Etc etc...

Mas se esqueceram de que os Beatles sempre foram geniais,de que nerd é nerd e acabou,de que Amy Winehouse não é grande coisa,e que folk de verdade é protesto,e não "Tchubaruba". Esqueceram que franja não é coisa de emo. E esqueceram como se faz coisa boa de verdade.


É triste ver isso.Só peço a Deus que a calça boca-de-sino não vire moda de novo. Seria demais pra mim.

domingo, 10 de agosto de 2008

...

Algumas pessoas passam em nossa vida e sem querer deixam marcas profundas. Algumas pessoas nem esperam ser tão importantes,mas acabam sendo. Algumas pessoas a gente nunca mais vai ver,mas mesmo assim sempre acaba lembrando delas,por mais que o tempo passe e as coisas mudem. Esse tipo de pessoa é raro,mas existe. Alguém assim completa hoje 20 anos,e me sinto feliz por isso. Espero sinceramente que ele seja muito feliz.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Ao contrário

É estranho dizer isso justamente num blog,mas não me sinto bem com todo esse novo mundo digital. Sou muito mais analógica. Demorei anos até me acostumar com CD,e quando consegui, surgiu o Mp3. E mão vi graça nenhuma nele. Pra mim,o bom de ouvir um álbum é curtir o som enquanto se olha a capa,o encarte. Do mesmo jeito que ver fotos pra mim só é legal depois de se esperar dias até serem reveladas,e poder segurar nelas...assim como textos só são realmente interessantes quando impressos,etc,etc. Toda essa velocidade e imaterialidade das coisas me traz uma enorme sensação de vazio, de abandono. E o mais triste é que isso tudo vem acompanhado de um crescente superficialismo. Tudo bem,na internet há espaço pra todo mundo se expressar (até pra mim!),mas que diferença faz se o que se vê por aí são blogs e sites tão profundos quanto poças d'água?

Talvez eu seja um pouco retrógrada,talvez ninguém concorde comigo,dificilmente as coisas vão mudar.É uma pena.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

"Imagine-crescendo com meu irmão John Lennon"


Um dos mais inesperados e melhores presentes de aniversário que recebi foi justamente este recém lançado livro de Julia Baird sobre sua vida ao lado de seu meio irmão John Lennon.
Confesso que antes desse livro eu nem tinha idéia de que o John tivesse irmãos,e me surpreendi ao saber de histórias escondidas por sua família. Para alguém que leu muitas biografias feitas por gente que nem sequer teve contato direto com nenhum dos Beatles,ler algo como esse livro é sem dúvida uma experiência nova e muito reveladora.Um trabalho sincero,emocionante e inteligente,carregado de emoção mas muito longe de ser apelativo.
E qual não foi minha surpresa ao descobrir,ouvindo o rádio,que será feito um filme baseado nesse livro!! Como a vida pode ser cheia de coincidências...

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Thinking

Liberdade é talvez um conceito muito mais prático que teórico.Mas ainda sim é algo real.Esse discurso cético de que liberdade é algo que não existe absolutamente,é um tanto quanto extremista. Afinal,se fosse algo apenas imaginário,como explicar o impulso criativo que sentimos diante de alguns momentos ao longo da vida?Pra mim,só pode ser algo que liberta.
Liberdade é algo talvez tão pessoal que por isso mesmo seja tão difícil criar uma única definição a respeito. É o tipo de abstração que só pode ser vislumbrada com uma boa dose de... liberdade.
Mas de uma coisa se pode ter certeza: ela está muito longe de ser apenas a "capacidade de sair por aí sem dar satisfação a ninguém",esse é só um lado minúsculo do todo.
Tranquilidade é liberdade,criação também.Poder ter certeza do que ser quer é uma forma de se sentir livre,assim como ter certeza da falta de certeza também é se libertar. Porque liberdade é a arte da escolha: a de ser como se é e de também não querer ser,a de poder fazer ou não,etc,etc.
Até nos momentos em que nos limitamos estamos sendo livres para poder nos limitar,afinal essa é uma opção nossa. No fundo,talvez liberdade nem seja algo tão expansivo,mas que está intrínseco em cada momento do dia a dia,de acordo com o pensamento de cada um e do espaço em que se encontra.
Há momentos em que parece mais fácil senti-la. Mas ela está sempre conosco.
Poucos se dão conta de como são livres,pois se apegam a convenções e ciladas do ego,mas liberdade pra mim é assim: simplicidade,opções,respeito e muita,muita tranquilidade.
Meus pais são livres,meus amigos nem tanto,John Lennon era livre e muitos gênios também;me sinto hoje mais livre que há anos atrás,pois descobri que no fundo só nos resta sermos tranquilos,e não nos abalarmos com besteiras,pois isso é perda de tempo.

sábado, 12 de julho de 2008

É,talvez eu esteja meio confusa.Ou no fundo tenho certeza mas não consigo admitir a mim mesma o que se passa comigo. O que importa é que estou bem com isso.

"Tudo é uma questão de manter a mente quieta,a espinha ereta e o coração tranquilo"...

Beatles!!!


Os "quatro fabulosos",que marcaram a trilha sonora da minha vida,me enlouqueceram aos 11 anos e mudaram minha adolescência por completo. Geniais,irreverentes,bonitos,inexplicávies. Meu sonho quando criança era viajar pelo submarino amarelo até Pepperland e de lá não voltar mais. Briguei com muita gente defendendo suas músicas. Chorei a morte do George. Fui pega em bibliotecas rasgando revistas novas só pra ficar com matérias sobre eles. Li ao todo 10 biografias, e agora estou na 11ª. Sim,sou daquelas fãs que se pudesse ir a algum show deles,gritaria até não poder mais. Não importa aonde esteja,se tocar Beatles,congelo;fico estatelada.
E sabe o porque de tudo isso??
Não sei.
Eles me emocionam de um jeito tão surreal,é difícil dizer.


Is only a feeling.


Só posso dedicar minha admiração a esses caras,e nada mais.

...

Não tenho 100% do controle da situação (seria querer demais...),nem a menor idéia do que esperar,isso se devo mesmo esperar alguma coisa,mas estou feliz. Continuo tranquila,e tudo o que tem acontecido tem me deixado assim. Não é como espero,e é aí que está o legal da coisa.
Porque tem sido ainda melhor

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Parabéns Ringo

Repórter:"Por que você usa tantos anéis no dedo?"
Ringo : "Porque eles não cabem no meu nariz!!"
Dois dias atrasada,mas mesmo assim quero comemorar.
Afinal,esse cara não pode ser deixado de lado,e eu admiro muito ele. O mais irreverente dos Fab four,muitas vezes menosprezado,mas grande merecedor de elogios completou no dia 07 desse mês 68 anos. É,depois de muitos sustos em uma vida acidentada e cheia de altos e baixos, Richard Starkey Junior continua firme e forte! Só espero que ele dure muitos anos,afinal isso é tudo o que um fã mais quer de um ídolo,né?

segunda-feira, 30 de junho de 2008

A descoberta do mundo




Nunca simpatizei com Clarice Lispector,mesmo sem nunca ter lido uma linha de seus livros. Todas as fotos que tinha visto me passavam a idéia de que ela fosse uma pessoa arrogante. Até que um dia minha mãe chegou com esse livro "A descoberta do mundo",e minha visão dessa autora mudou bastante. Continuo sem ter lido nenhum de seus romances,mas através desse livro pude pelo menos ter a certeza de que antipática ela não era."A descoberta do mundo" é uma antologia de crônicas que Clarice publicou aos sábados no Jornal do Brasil entre os anos de 1968 a 1973,e nele transparece a visão poético-lírica da autora em relação à vida,as pessoas,ao mundo em geral e até a fatos corriqueiros típicos do dia-a-dia.
Uma das coisas que mais me chamou a atenção nesse livro é o formato dos textos,trazendo no cabeçalho a data em que foram publicados,criando a ilusão de um diário ou blog.Clarice foi uma mulher muito inteligente,e sem dúvida seus livros devem ser bons. Quando tiver oportunidade de ler pelo menos um,poderei dizer com mais firmeza.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

A vida é cheia de surpresas mesmo. Passamos anos maldizendo determinadas coisas,e um belo dia nos deparamos com situações que nos colocam numa posição completamente diferente. E o que se deve fazer nessas horas? Bom,eu tenho vivenciado isso,e o jeito é aceitar o que vem por aí. Afinal,se nos deixa felizes,é mais fácil abandonarmos posições ultrapassadas e experimentarmos novas situações do que ficarmos estagnados para o resto da vida.

sábado, 21 de junho de 2008

Birthday

Os aniversários são tão dolorosamente breves! Esperei tanto por esse dia e ele praticamente já passou. E cá estou eu,perplexa. Pois,enfim,são dezoito anos: de muito Rock'n'roll,alegrias,sonhos,desesperos,frustrações,lembranças amores e amigos. E o tempo passa sem que se perceba. A inevitável pergunta surge a cada instante: o que será que vem por aí? São tantas expectativas e pensamentos que se misturam,que no fim a conclusão à que se chega é a de que o melhor é esperar,e ver o que acontece.
Mas,claro...sem querer soar egocêntrica: parabéns para mim,magrela doida.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Parabéns Paul


Por motivo de força maior,estou atrasada,mas ainda em tempo de dizer:

Nesse último dia 18 (mais conhecido como ontem),Sir James Paul McCartney (ou o "velho Macca" para os mais chegados),completou 66 anos.Como já foi dito em anos anteriores,ele conseguiu passar pelos supra-citados 64 anos,e muito melhor do que planejou na canção "When I'm sixty four",o que é de deixar qualquer fã muito feliz,diga-se de passagem.O baixista dos Beatles,autor de algumas das mais belas canções de amor do século 20 só não vai receber minhas completas congratulações por que ainda não veio ao Brasil depois que me tornei beatlemaníaca,mas pode ficar tranquilo pois continuo nutrindo pelo garoto (já nem tão moço assim) um amor puro,sincero e eterno(Yeah,it's a real love).Enfim, que ele consiga se recuperar do baque econômico que sofreu recentemente e que todas as tolas canções de amor de Paul possam nos alegrar por mais muitos anos.

Because the love you take is equal to the love you make.

domingo, 15 de junho de 2008

They can't get no satisfaction

O que é satisfação,isso que todos procuram e que poucos dizem ter?

É ter tudo o que se quer,não prestar contas a ninguém,estar perto de quem se ama? Então satisfação é um conjunto de amor,liberdade,saciedades e tantas outras coisas,que no fim,caracterizam a felicidade. Mas...existe alguém que diga com plena covicção que é feliz,ou melhor,que está 100% satisfeito com tudo?

A felicidade parece caminhar justamente no sentido oposto: a busca pela plenitude somada à expectativa positiva (mais conhecida como esperança) traz a satisfação de se estar em constante movimento. Pelo menos para mim tem sido assim. Quanto mais busco e menos acho,mais encontro;e é desse jeito mesmo,paradoxal,que encontro momentos de satisfação.Não satisfação superficial mas aquela que vem de lembranças queridas de sonhos passados que agora se concretizam,da certeza de que faço o que gosto,da maravilhosa liberdade de não me importar mais com o que podem pensar de mim (depois de tantos anos me importando,aprendi a lição).

Muitos dizem não estarem satisfeitos,mas poucos reconhecem o que já têm. Não é à toa que está tudo uma bagunça: até mudarmos nossos vícios com relação à vida,muito tempo vai passar,muitas gerações virão.
Eu pelo menos

segunda-feira, 9 de junho de 2008

..

Chegando aos dezoito,acho que estou entrando numa crise tipo a da meia idade,sabe? Quero tanto ter uma juventude legal,que me peguei analisando tudo o que vivi até hoje,principalmente os momentos mais inusitados,como se estivesse avaliando o que ainda tenho que fazer e/ou viver. Sinto que todo mundo,nem que seja inconscientemente faz isso,e é algo engraçado. Estamos sempre caminhando em direção a nos mesmos e muitas vezes acabamos nos distanciando da nossa essência.
É meio que como disse Lennon:

"eu já estive em muitos lugares,mas só me encontrei em mim mesmo."

sábado, 7 de junho de 2008

Que o homem das estrelas traga o silêncio da escuridão e a doçura do espaço,pontilhado de luzes e solidão,dando a exata extensão da poesia.
O som do piano ecoa pelo espaço e rescinde na alma,onde tudo é doce e puro,pois lembranças são muito mais do que palavras.
É tudo mágico.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Divagação normal

Todos nós temos um pouco de normose,essa neurose de sermos normais. Por mais que todos neguem,é sempre assim. É engraçado ver o quanto gostamos de nos enganar só pra não termos que admitir falhas. E o melhor é que nunca conseguimos nos enganar,mas fingimos para nós mesmos,dizendo que acreditamos nos que dizemos,quer dizer,nos enganamos tentando nos convencer de que não estamos nos enganando (confuso,né??). E assim a vida passa...e passamos grande parte dela em função dos outros. Há quem diga: "não,comigo é diferente,faço o que quero e não me importo com o que os outros dizem!" mas...será? Realmente que existe alguém 100% seguro de si?? Desconfio...experimente encarar alguém na rua;é visível o incômodo que isso causa na pessoa. E se é o contrário,se alguém nos encara,é quase inevitável não surgir a dúvida de estarmos fazendo papel de idiotas,ou algo do tipo.
Talvez,no fundo,existam pessoas mais tranquilas em relação à isso do que outras,só que no fim,todo mundo guarda uma ponta de insegurança no subconsciente. Culpa de todos os valores que são mantidos há séculos na sociedade e que muuito lentamente estão mudando.
Bom,pelo menos há esperança.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Luz,photo

Se uma imagem vale mais que mil palavras,devemos isso à arte da fotografia. Há quem pense que fotografar é algo limitado e corriqueiro,mas na verdade,isso envolve muito sentimento. Pois o bom fotógrafo,ou melhor dizendo,o verdadeiro fotógrafo não é apenas aquele que congela uma imagem qualquer para registro,e sim alguém que busca atribuir à imagem significados que vão muito além de uma mera comtemplação.

Escrever com a luz,photo grafar. Extrair texturas novas,perspectivas diversas,linhas e cores quase surreais de paisagens comuns; provocar sensações a quem vê; comunicar sem palavras,mas ainda sim,estabelecendo um amplo diálogo com a imagem e o expectador. Essa é a verdadeira fotografia. Pena que poucos tem sensibilidade suficiente para perceber.

domingo, 25 de maio de 2008

That's it!

Depois de mais de 50 anos,o Rock ainda é famigerado e confundido por quem não entende/gosta. Quem olha de fora pensa que todo "roqueiro" é estúpido,maldoso,tosco...ou,pior ainda,"rebelde" (no pior sentido da palavra).E isso é triste e ultrapassado,pois nem de longe é assim.
Amar o Rock é senti-lo em cada nota,das mais variadas maneira,e sempre com energias novas.Rock'n'roll é muito mais do que estereótipos,é liberdade de pensamento,trilha sonora de muitas vidas,fonte de eterna renovação.

Digo isso por experiência própria,afinal,se não fosse o Rock,nada na minha vida seria como é.

sábado, 24 de maio de 2008

"Tempo,mano velho"

Olhando a linha do tempo numa aula de história,percebi o quanto a nossa visão de tempo é ampla em relação aos que vieram antes,ao mesmo tempo em que é limitada comparada aos que virão.Afinal,ele saberão do nosso futuro,e já será passado.É tão estranho e engraçado,talvez muito mais complexo do que eu consiga dizer...mas sem dúvida,o tempo é daqueles tipos de assuntos intermináveis,afinal o próprio tempo é infinito,o nós é que somos finitos demais para ele.

É relativo,é poético,é triste.Em menos de alguns anos olharemos pra muitas coisas e tudo parecerá ao mesmo tempo tão recente,e tão ultrapassado! E isso sempre foi e será assim.

segunda-feira, 19 de maio de 2008

*

Parece que sempre que estamos bem vem uma avalanche de coisas tentando nos abalar. E esses fatos pesam tanto na nossa visão de mundo quando menos percebemos todas as nossas maiores convicções caem por terra.E a impressão que dá é a de que tudo só vai piorar.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

All my love to you

Quanto mais te conheço,mais te admiro,e quanto mais o tempo passa,mais tempo quero passar ao seu lado.

Sou fria sim,mas estou conseguindo quebrar a fina camada de gelo que me cobriu por muito tempo; por sua causa.

Se não consigo expressar o que sinto é porque palavras tem sido insuficientes,tamanho o sentimento.

Seu modo de agir e pensar me fascinam,sua companhia me anima.

Se eu puder,quero te ajudar no que for possível.Quero poder te fazer bem assim como você tem me feito sentir.

Acredite,não é exagero meu.

E se um dia,de alguma forma você deixar de gostar de mim,por favor,me diga. Sei o quanto é ruim não se sentir bem ao lado de alguém e não expressar isso com medo de magoá-lo.


Por enquanto só digo mais isso: te amo.

I'm just a jealous girl

Não quero magoar ninguém com meu ciúme,mas tem momentos em que não há como controlar o que sinto. Só o fato de saber que existem pessoas covardes o suficiente para quererem se intrometer com o que não lhes diz respeito me faz tremer de raiva. Será que suas vidas são tão medíocres que precisam cuidar da dos outros? Ou somos tão interessantes a ponto de não podermos passar despercebidos? Essas pessoas mal amadas que só querem aparecer me cansam. Tenho dó desse tipo de gente.

terça-feira, 6 de maio de 2008

Abismos mentais

Sob a luz do sol,a espiral se definiu;cores surreais tiraram todo o equilíbrio,e uma dor terrível se misturou à luz que vinha da noite.Sentindo-se inútil,apenas contemplou,e depois de alguns instantes,pôs-se a caminhar.Tudo era bonito,mas pendia ao obscuro.Seu lado mais negro sufocava e em vão pedia atenção.Ninguém mais apareceu,e realmente acreditou que poderia se isolar do resto do mundo.
A dor voltou ainda mais forte,e quando sentiu que não aguentaria mais,uma borboleta pousou ao seu lado.
Nisso,pôde perceber que nem tudo estava perdido.Era só uma questão de mudar seu ponto de vista e tentar esquecer o velho hábito de sofrer pelo simples prazer...de sofrer.Viu que o amor tinha muito mais a lhe oferecer.
E nunca mais a solidão lhe seguiu,pois haviam companhias melhores.

.

Saudade de algum lugar nunca visitado,de sensações nunca sentidas,de situações nunca vividas.Algo que vem crescendo ao longo do tempo e se transformando em um tipo de dor estranha: triste e bonita ao mesmo tempo.O que eu mais queria agora era exorcisar esse sentimento,mas algo no fundo me diz que isso é impossível e que só vai se agravar.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Reticente

Queria eu sofrer de verborragia e poder escrever páginas e mais páginas de textos tão grandes que dessem até preguiça de ser lidos.Queria eu poder sofrer de compulsão febril por escrever,a ponto de se tornar algo preocupante e do qual eu dependesse totalmente.Mas as idéias fluem com tanta rapidez que eu-mesma não consigo acompanhar meu ritmo,e no fim só 10% do que planejei acaba sendo aproveitado.Isso causa uma certa sensação de limitação,principalmente porque se relaciona diretamente com palavras,meu amor platônico.Palavras,que podem machucar,enternecer,expandir,aconchegar...e, no meu caso,ampliar minha percepção de liberdade.Pra mim,pessoa considerada "quieta",as palavras são a salvação,mas ao mesmo tempo,traiçoeiras.Contatos diretos só são válidos com quem vale a pena,então as palavras devem ser muito bem escolhidas.E é aí onde mora o perigo.

Queria eu não poder passar um só dia sem escrever pelo menos uma linha,e e esperar que o resto da vida fosse assim.

Queria eu poder entender por que eu tive necessidade de escrever isso que

Mudanças

Mudanças assustam.Mudanças são como um abismo:nunca sabemos se vamos sair inteiros deles,e por isso preferimos não nos arriscarmos.Mudanças são inevitáveis.Algumas imperceptíveis,outras dolorosas;e outras ainda,sublimes.Vale a pena mudar?

A partir do momento que a mudança é aceita de forma natural,ela já não é mais uma mudança,pois a real mudança é aquela que vai pulsando paulatinamente,até ser percebida ,quando na verdade já não é mais uma transição,e sim um estado definitivo.Mudar não é abandonar a essência,e sim aproximar-se ainda mais dela.Estamos numa eterna busca por nós mesmos,e talvez no fim de tanta busca,nossa recompensa seja a liberdade

Secos e molhados



Lírico,surreal,inteligente,muito bem trabalhado.Causador das mais diversas sensações.O disco de estréia dessa banda meio Alice Cooper,meio Kiss com características bem tupiniquins e requintes fantásticos traz todo um frescor e rebeldia poética com letras curtas (como em "As andorinhas",e "El Rey",ambas de 58 segundos),sons ultra animadores ("Amor"),poemas musicados ("Rosa de Hiroshima") e muitos outros delírios incríveis,muito bem fechados com a apoteótica "Fala",linda a ponto de causar arrepios.

Esse disco é mais um dos que tem marcado minha vida de uma forma tão bacana que é difícil descrever.Música realmente é algo que consegue ser tão enigmático quanto o amor.Que loucura,né?

Recorte de revista

Folheando uma revista,mais precisamente a "Revista da Folha-Morar" de 27 de outubro de 2006,encontrei um texto sobre decoração aparentemente desinteressante,mas que continha um trecho que me chamou a atenção,pois se aplica super bem não só com relação à decoração,mas a muitas outras áreas da sociedade,como moda,comportamento,etc.

O trecho:

"Tenho medo do que é tendência.Ela banaliza,emburrece,mediocriza,enfraquece nossa capacidade de escolha.Ainda que o exercício de escolher possa parecer mais simples a uns que a outros,nenhum mal fará enfrentar um pouco desse embate: qualquer descoberta será sempre mais importante que a receita pronta.

Tendência é sempre algo que já passou,mas não é só isso que a desqualifica;ela perde força por representar uma massa anacrônica de realidades fragmentadas.É ocaldo de tudo,pois trata do que agrada a todos."

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Sensações tão fora do habitual que nos deixam perplexos diante de tanta beleza;o amor é real se torna quase palpável.É de uma plenitude iluminada.Diante disso,palavras são insuficientes.Qualquer descrição seria limitada demais.

Amar,estar junto de alguém...Será que é tudo tão simples quanto parece?Não acredito que uma relação possa apenas se basear em mero contato físico e amizade banal,seria vazio demais.Tudo só vale realmente a pena quando o sentimento amplia nossa visão de mundo e nos completa.







domingo, 6 de abril de 2008

Sgt.Pepper's Lonely Hearts Club Band


Tudo bem,pode parecer um grande clichê,mas é impossível falar de Beatles sem citar Sgt.Pepper's.Muita gente diz que o Revolver ou o Rubber Soul são mais notáveis,mas sinceramente discordo.Considerado um divisor de águas na história da música pop,revolucionário,alucinógeno,genial,incrível...nem todos os melhores adjetivos podem expressar o quanto esse disco tem a oferecer.

Com arranjos elaborados,letras poéticas/profundas,e texturas inacreditáveis,os Beatles passeiam por imagens mentais extravagantemente coloridas inicando com a canção título,evoluindo para a alegre "With a little help from my friends",chegando à simplicidades imaginativa e quase infantil de "Lucy in the sky with diamonds",e nos levando a outros mundos..lindos,cativantes,por vezes chocantes,mas sempre inesquecíveis.E no fim,após muitas outras obras de arte,tudo se expande e se completa com a maravilhosa canção "A day in the life".

Pra mim,disco bom é aquele em que todas as músicas marcam,uma completando a outra.É também aquele que marca épocas das nossas vidas,e fica como registro.Afinal,música é algo totalmente pessoal,tanto para quem faz quanto para quem ouve.E Sgt. Pepper's,pra mim,é um disco assim.

Cada vez que o ouço,me deparo com novas sensações,ao mesmo tempo em que recordo dos melhores tempos da minha vida que foram vividos com esse álbum como trilha sonora.

É...como já dizia o locutor:"é sempre muito bom ouvir Beatles!"

sábado, 29 de março de 2008

...

Tenho me sentido mal por não conseguir desmpenhar bem minhas funções.Trabalhar é realmente algo muito complexo.Procuro sempre fazer tudo com o máximo de alegria e boa vonade,mas parece que não consigo chegar nem na metade do meu objetivo.Só tenho errado,e isso me desanima um pouco.

Nesses momentos,o que mais me motiva a ir adiante é saber que posso ter por perto pessoas que eu amo muito e que demonstram se preocupar comigo.Isso não é maravilhoso???

Agora entendo porque o John conseguiu aguentar tantas críticas sobre seu trabalho solo e continuou seguindo: ele tinha a Yoko,que por mais incrível que pareça,fazia-o sentir bem.

É,oamor

quarta-feira, 26 de março de 2008

Falar de amor,para mim,sempre foi algo complicado.Muitas vezes sem querer caímos em contradições com o que dizemos,pensamos e sentimos.Há também o fato de que cada um tem uma concepção diferente do que é o amor,e é inevitável que haja discordância.Não que eu goste que concordem comigo,mas acho que nesse tipo de assunto,muita discussão só tende a desgastar a situação.

Mas mesmo tentando evitar o tema,me deparei com uma vontade enorme de falar a respeito.Afinal,depois de um certo tempo em que aprendi finalmente a me sentir bem sozinha e a aceitar a solidão,as reviravoltas da vida me levaram ao sentido oposto.Não consigo acreditar que estou sentindo isso de novo!!!

Querer bem a alguém,se sentir bem com esse "alguém",dividir expectativas...Não sei,é difícil resumir.O que se sente é tão amplo.

Talvez o amor seja a certeza de que há algo muito maior do que o físico(mas que também engloba ele) e que pode nortear o caminho ou perturbar tudo definitivamente.

Ou John Lennon possa dizer melhor:


terça-feira, 4 de março de 2008

Amigos

Se Albert Einstein tivesse conhecido John Lennon,eles com certeza seriam amigos.Provavelmente Einstein não iria gostar da música de John,pois ele amava apenas música clássica,mas se identificaria muito com seus ideais pacifistas.Nesse ponto os dois tinham muito em comum.Usavam de toda sua influência e genialidade para influenciar o maior número de pessoas possível em favor da paz.Imagina se eles tivessem feito um Bed in juntos??Seria muito legal.
Esses dois,além de terem sido grandes gênios e marcado a história do século 20,também são dois dos meus maiores ídolos e exemplos de vida.
Se há algo mais depois da morte,os dois devem estar por aí

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Pensamentos esparsos sob o sol de meio dia

"As zebras me intrigam.Minha camiseta também me deixou em dúvida:ela é cinza com listras azuis ou azul com listras cinza??"


"(Droga,meu tênis desamarrou de novo!) Odeio quando termina o horário de verão.É muito triste saber que o sol vai embora mais cedo!"


"Se todas as noites fossem de lua cheia,ela perderia a graça.Por que será que a rotina torna tudo tão chato??"


"As borboletas paracem pedaços de papel com vida própria!!"


"Um dia ainda vou ver alguém comer farofa nequanto canta 'Psyco killer' dos Talking Heads!!"


""Não entendo os eclipses.Qual é a graça de ver a lua sumir??Legal mesmo é ela

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Parabéns George


Se estivesse vivo,hoje George Harrison completaria 65 anos.É uma pena que ele faleceu em 2001 (foi o maior trauma da minha pré adolescência).Mas mesmo assim,gostaria de lembrar essa data que é tão importante para todos os fãs dos Beatles.George,o mais tímido,o mais introspectivo dos quatro,mas também o mais sensível e que conseguiu firmar uma carreira solo admirável.Parabéns George,onde quer que você esteja.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Sempre em meio à conversas e coisas que escrevo,me deparo com um impasse: usar ou não uma frase clichê?Pois muitas vezes elas parecem a única coisa que expressa exatamente o que se passa.Será por que tudo já se transformou em clichê??Tenho minhas dúvidas.Afinal a vida não pode ser algo tão repetitivo.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Vida e obra de Johnny McCartney


Logo quando se fala de Leno a primeira coisa que vem à cabeça é a dupla "Leno e Lílian",mas além disso,existe o Leno em carreira solo,pouco lembrado,o que é uma pena.O disco "Vida e obra de Johnny McCartney" é um belo exemplo do trabalho desse cara,além de ser um dos discos que embalou praticamente toda a minha vida.
Esse álbum tem uma história bem característica dos anos 70: pouco antes de ser lançado,foi vetado pela censura por trazer muitas letras que tratavam de temas delicados para a época, e só em 1995,por acaso,foi achado na prateleira de sua gravadora e enfim lançado.
Com produção de Raul Seixas (ainda como "Raulzito") e participação do grupo "A Bolha" e outras feras,esse trabalho traz uma sonoridade psicodélica (com forte influência dos Beatles) ,lírica e muito bem trabalhada,além de letras bem humoradas como "Senhor imposto de Renda" e "Sentado no Arco-Íris".
Todas as músicas são ótimas,mas as minhas preferidas são "Lady Baby","Contatos urbanos" e "Bis".
Vale a pena conhecer!



quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Se eu envelhecer...

Espero viver só até os 30,35 anos.Não acho que viver muito seja sinônimo de viver bem,e espero não chegar à velhice,por isso procuro fazer o melhor que posso já.

Mas,se um dia eu inevitavelmente alcançar a 3ª idade,quero ser uma velhinha bem doida.Vou morar na praia,deixar os cabelos crescerem até a altura do joelho (se eu conseguir) e não vou tingi-los:quanto mais brancos melhor;além disso só vou usar vestido azul claro com conchas bordadas em linha branca.

...

É tudo uma questão de foco: o mesmo pôr-do-sol que pode parecer lindo para uns,pode representar tédio e cansaço para outros.Tudo pode mudar através do ponto de vista;coisas que pareceiam horrivelmente complexas podem se tornar muito simples quando se ajustam as lentes.

E o melhor de tudo é que isso pode acontecer a qualquer momento,com qualquer pessoa,sem ser sentido

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Meus sonhos me dizem pra seguir em frente,mas a realidade quer sugar minhas energias e me levar à loucura.Só posso achar que o caminho a seguir está sendo definido a partir dos meus atos e o mundo gira ao redor de quem faz o que acontece.As aspirações podem guiar.

domingo, 3 de fevereiro de 2008

Fui pro mar

Descobri:o lugar que eu mais amo no mundo,depois da minha casa,é a praia.
A força do mar me impulsiona a pensamentos incríveis,me inspira e encanta.Só na praia posso colocar as coisas no lugar e esperar uma manhã mais tranquila.
Se um dia eu chegar à velhice,quero morrer na praia.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

É impressionante o quanto as pessoas podem ser volúveis e influenciáveis.Uma simples calça,dependendo do modelo,pode ser considerada ridícula por muitos anos e,de repente,só porque alguém disse que eram lindas e passou a usá-las,todo mundo muda de opinião.Isso é sem dúvida irritante e mostra o quanto ainda se têm que evoluir os valores humanos.
Quando será que a individualidade verdadeira(aquela que destaca a pessoa pelo seu caráter,e não pelo que ela veste) será reconhecida??
Muitos meio de comunicação têm manipulado deliberadamente as pessoas e tenho sincer apena delas,pois se elas não tomam consciência do que vale realmente a pena,niuém mais pode fzer isso por elas.É uma questão de escolha.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

"Moderno"

Como prestei vestibular ano passado,tive que ler alguns livros obrigatórios.Só pelo fato de eu ser meio que "obrigada" a fazer algo,já comecei querendo fazer de má vontade.Mas,quando comecei a ler "A cidade e as Serras" de Eça de Queirós,a coisa mudou:esse livro é simplesmente ótimo!!
Descontando-se a linguagem meio difícil(por se tratar de um autor português),me identifiquei muito com todas as ironias que essa obra traz.E algo que me impressionou: mesmo a história tendo sido escrita no século retrasado,retrata um tema super atual: a relação que o ser humano estabelece com a sociedade,a modernidade e a dita "civilização".
Smpre achei que,com tanto avanço tecnológico,o ser humano passou a ter muito mais presunção com tudo o que já foi criado.E,pelo que parece,isso vem crescendo cada vez mais.
O que "A cidade e as serras" mostra é justamente a visão de alguém que acreditava que a única forma de se encontrar a felicidade era através da noção quase que completa de todas as ciências e tecnologias.Até que o personagem descobre uma forma muito mais simples e eficiente de se viver: em meio a natureza.
O que o livro quer passar não é a idéia de que se deva viver completamente isolado de novidades,mas sim que deva haver uma forma mais consciente e equilibrada de utilizar todas as coisas,tanto recursos naturais quanto a tecnologia.
E eu concordo plenamente.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...